Wednesday, 22 de January de 2020

Mais de trinta

De mãos dadas. Sempre!

maos_dadas

Dependendo da trama, o final de uma novela vira um acontecimento. Foi o que aconteceu na última sexta-feira, 31 de janeiro. Duas cenas de Amor à Vida emocionaram: a do beijo entre os personagens Félix e Niko e a reconciliação entre pai e filho. Esta última me pegou de jeito, bem no meu coração. Foi impossível não me lembrar do meu pai. E chorei. De saudade.

Gigante. Monstra.

Noveleiro de primeira, Fernandão era daqueles que discutia com a televisão durante as cenas, ora esculhambando a heroína, ora alertando que o mocinho não era tão bonzinho assim.

Ficava nervoso, alterado mesmo. Dizia que não iria mais assistir a nada! Mas a determinação não durava nem 24 horas, pois no dia seguinte lá estava ele, sentado no sofá, pedindo silêncio, teorizando a novela, adivinhando os próximos passos. E eu compartilhava desses momentos com ele. E de muitos outros.

felix-cesar

 

Felizmente éramos próximos. Felizmente pude dizer várias vezes que o amava. Felizmente o beijei muito, o abracei ainda mais. Felizmente brigamos (ele era ciumento e eu também!), discutimos, nos acertamos, nos entendemos. Felizmente ríamos muito, pelo nosso riso frouxo.

Por isso, não imagino o que é ser ignorado — independentemente do motivo — pelo pai ou pela mãe, como bem retratou a novela de Walcyr Carrasco. Ou ao contrário: filhos nem aí com os pais, como acontece na vida real também. Mas a mensagem foi megapositiva: o amor verdadeiro supera tudo. E eu acredito muito nisso!

Esse sentimento divino entre duas pessoas é capaz mesmo de mover montanhas, de mudar vidas, de curar doenças (principalmente as da alma). Ele enche o coração de bons sentimentos, a mente de bons pensamentos e a boca com boas palavras. Ele deixa todo mundo mais bonito,mais leve, mais solto, mais entregue!

Aprendi a me declarar. Sempre que posso, expresso meu amor. Para amigos e familiares.

Expresso a importância daquela pessoa na minha vida, na minha trajetória. E nem sempre eu digo “amo você”, mas dou aquele abraço, choro junto, telefono para saber como andam as coisas, escuto, falo, divido conquistas e derrotas. Tudo flui de forma harmoniosa. Porque é natural amar e ser amado. É sen-sa-cio-nal segurar a mão de alguém e sentir o amor, o bem querer.

Assim como Félix, segurei a mão do meu pai. Infinitas vezes. E pretendo segurar várias outras, porque simplesmente eu não vivo sem o outro.

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!