Wednesday, 22 de January de 2020

Mais de trinta

E a bandeira do Corinthians?

bandeira_corinthians_capa

 

Essa foi a primeira pergunta que Rogério fez para a namorada Patrícia, minha amiga. Doce e delicada, prometeu tirar a bandeira do Corinthians do quarto de casal (estava em cima da cama) para colocá-la em um lugar de destaque. E, com jeitinho, ela está dando aquele toque feminino no novo endereço dos pombinhos (que já era dele), com plantas, adornos, apetrechos e afins. E Rogério está cedendo. E ela também.


“Não tem jeito, Ana. Tem de conversar, dialogar.” Perguntei, numa verdadeira parceria unha-cutícula — Paty cuida das minhas mãos e pés há mais de 12 anos —, se ela estava realmente cedendo. Seus olhos bem pretos fixaram nos meus mais castanhos. “Sim, não me incomodo com a bandeira nem com seus santos. Mostro para ele que tudo é importante e que merece um lugar especial e harmonioso.”

Depois de 20 anos morando sozinha, Paty finalmente reencontrou o amor em sua vida. No primeiro instante, aparentemente não deu muita bola. Não acreditou que pudesse acontecer depois de tantos desencontros, desamores e rancores. Chegou a falar: “Deve ser mais um que nem chega já está indo embora”. Mas algo me dizia que ela estava fisgada pelo então desconhecido Rogério.

De uma sexta-feira a outra, tudo mudou. O astral dela se alterou (para melhor), seus torpedos agora finalizavam com vários “beijos”. E não deu outra! “Estou namorando”, contou dali sete dias! “Ele é carinhoso, veja o torpedo que recebi hoje cedinho”, mostrou dali 14 dias. “A gente conversa e ri muito”, confessou dali 21 dias. “Ele é meio bagunceiro, mas me ajuda em casa”, relatou dali 28 dias.

E, assim, a cada semana acompanho a trajetória desse encontro de almas. Juntas, eu e Paty damos risadas, nos emocionamos, trocamos figurinhas. E ela está ainda mais bonita, mais alegre, soltando gargalhadas ainda mais contagiantes. Que Rogério perceba a jóia rara que Deus colocou em seu caminho. E que Paty também reconheça o coração generoso e acolhedor que veio revigorar e aquecer o seu.

Torço pelo amor. Torço pela união amorosa de duas pessoas que caminham lado a lado, de mãos dadas, colhendo seus frutos. Admiro principalmente quem não desiste de ter o amor na vida, que abre o coração (no começo, muitas vezes com receio) por acreditar que vai viver uma história linda, cheia de beijos e abraços, com os prováveis obstáculos superados, acima de tudo, pelo amor que uniu seres feitos naturalmente para amar.

Leia mais textos de Ana Neiva.

Confira mais colunistas do Mais de Trinta.

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!