domingo, 23 de julho de 2017

Mais de trinta

Quando o amor vira um câncer.

Foi o que aconteceu comigo em relação a ELLA. Um sentimento destrutivo, louco, obcecante e obcecado (percebi que teve reflexos negativos até mesmo nas atitudes DELLA para comigo), uma raiz do MAL, profundamente arraigada em suas entranhas, consumindo, sangrando, transformando suas células em algo maligno e mortal. NUNCA SENTI NADA PARECIDO POR MULHER NENHUMA e sei que isso será um divisor de águas em minha vida sentimental.

Acordo na madrugada sentindo falta de nossas conversas, desabafos, mensagens misteriosas e ambíguas (da parte DELLA), SINTO FALTA DE TUDO QUE VIROU NADA QUE SEMPRE FOI “TALVEZ” (pra ELLA)… Sinto falta DELLA em minha vida.

Não tenho nem mais alguém que brigue comigo, que coloque melodia em cada entonação de palavra quando diz 3 vezes consecutivas me odiar *tenho o áudio gravado até hoje). Nossos raros encontros se tornaram relíquas de um tesouro que guardo a 7 chaves no meu coração. Estou morrendo literalmente de “amor” em pleno século 21, e isso não me faz bem em absoluto. Estou triste, desolado e nada que vejo ou faço tem real valor para mim.

A mesma (ELLA) já me perguntou o porquê de tanto sentimento e eu não sei explicar essa lógica maluca de quanto mais distantes mais eu me lembro e me apego a ELLA. Isso precisava terminar definitivamente, eu queria voltar a viver. DEUS sabe que estou sendo sincero nesse desejo.

Se aparecer uma terapia ou cirurgia de cérebro inovadora, mas que garanta apagar completamente minha memória nos últimos 3 anos eu seria uma cobaia voluntário na experiência… PAGARIA QUALQUER PREÇO pela minha liberdade emocional e o retorno de minha DIGNIDADE PESSOAL (algo perdi no caminho insistindo sem razão com ELLA).

 

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!