Sunday, 22 de September de 2019

Mais de trinta

Topo tudo por um like

O mundo tem uma legião de pessoas querendo aparecer a todo custo,  tempo todo. E desde outubro de 2010 elas têm o poder ao alcance das mãos com o Instagram. A rede de compartilhamento de fotos tem adeptos nos quatro cantos do planeta e conquista milhares de novos usuários todos os dias, que querem mostrar o que têm de melhor: seu ego.

O selfie do ano! (Na categoria sem noção, é claro.)

O selfie do ano! (Na categoria sem noção, é claro.)

As fotos que ostentam o corpo, os lugares, as roupas e os itens de luxo que possuem, provam (não sei pra quem) que uma pessoa é melhor que a outra. Esse conceito duvidoso que  feito com a rede social é a uma febre, o termômetro é o número de likes e seguidores que cada perfil possui, e não é raro ver pessoas se matando (quase que literalmente) para atrair mais olhares likes. E o uso de hashtags? Virou uma estratégia louca para caçar novos seguidores e curtidores nos posts de pessoas famosas, pasme, tem gente que passa o dia inserindo #SigoDeVolta #TrocoLikes nas fotos da Sabrina Sato, Lala Rudge e cia. Outras milhões, colocam hashtags em suas próprias publicações o tempo todo para ter mais visibilidade. 

Vamos tirar um foto?

Lembra que mencionei aí em cima sobre pessoas que quase se matam? Então...

Lembra que mencionei aí em cima sobre pessoas que quase se matam? Então…

Toda hora é hora e todo lugar é lugar (literalmente!). Tudo pode render uns bons likes, e para isso, adeus sossego ao almoçar: foto do prato, foto do restaurante, do detalhe dos talheres, de si mesmo e até no espelho do banheiro ao retocar a make.

Adeus educação: lembra aquela velha regrinha de só começar a comer junto com sua companhia à mesa? Já se foi, hoje você só pode começar a comer depois da foto do prato ou da selfie “Almocinho de leve com a best”. Os almoços em família nunca mais foram os mesmos, porque todo mundo tem que estar mais arrumadinho “Vou fazer uma foto da gente comendo, mãe!”.

E as exposições de arte? (Pausa para eu respirar) Elas não podem mais ser vistas com tranquilidade, já que todo mundo quer a foto perfeita em frente à obra mais comentada do momento pelas redes sociais. Quero que fique bem claro que eu adoro fazer foto nos museus, são lugares lindos, a gente fica um tempão na fila e vale a pena fazer uma foto onde é bonito, mas o respeito ao espaço do outro é sempre bem vindo, assim como um like. Volto a falar mais sobre as fotos em exposições e o fato delas contribuírem para que cada vez mais gente curta esse tipo de programa aos finais de semana, eu acho isso INCRÍVEL! 🙂

O drama de não receber um like

“Tive só oito likes, eu sou a pessoa mais feia do mundo!” essa frase é dita por dezenas de milhares de pessoas ao redor do planeta todos os dias. Fulaninho não curtiu a foto com pose quase erótica e frase de efeito que faz Platão quebrar a cabeça para entender. E isso leva a depressão, que dura até a próxima postagem, que se Deus quiser (e a hastag ajudar) renderá até novos seguidores.

molinaro

Renata Molinaro com Mari Gonzaleze a selfie que toda mulher sonha em fazer. (Foto: Reprodução/Instagram)

A cura do selfie sem noção

Claro que compartilhar fotos do que e de quem a gente gosta é bacana, mas a receita para ser alguém mais aceitável pela sociedade é o nosso amigo “bom senso”.

selfie (1)

Selfie na premiação do Oscar, a mais famosa do mundo (até hoje).

No museu é só esperar um minutinho até as pessoas verem o quadro, a escultura e etc. Aí, quando o espaço estiver mais livre é só clicar e pronto, temos uma foto legal que não incomodou ninguém (fica até mais bonita sem desconhecidos ao fundo). 😉 No Restaurante, vale pedir ao garçom que registre o momento, quando estamos com alguém especial e queremos nos recordar. Fotos do prato são Démodé demais, né? 😛
Na balada, é bacana registrar os amigos e os momentos que o champanhe/Vodka apagarão da nossa memória, mas curta a balada, não tirar foto dela. 

No espelho (eu curto muito espelho) pode! É divertido, e mostra que você é uma pessoa cool. Mas, calma, biquinhos são dispensáveis (nem a Gisele Bundchen fica bem fazendo) a não ser que seja de brincadeira, aí vale tudo.
Com os amigos, devemos respeitar uma regra básica: todos têm que estar aceitavelmente bonitos na foto, afinal, nada mais chato que ser marcado em uma que estamos com cara de chupa cabra.

Michele nada feliz com o maridão Obama. E com razão.

Michele nada feliz com o maridão Obama. E com razão.

Sobre comportamento no Instagram é isso, pelo menos por enquanto, e no meu singelo modo de ver. Vamos colocar em pratica e compartilhar para que aquele amigo veja que ele não é cool na rede e mude a tempo seu comportamento. E me siga no Instagram, claro! 😛

Ah, acho que nem preciso mencionar que em velórios é dispensável um post, né. O defunto agradece. <3

 

Fabricio Carmo

 

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!