Tuesday, 19 de November de 2019

Mais de trinta

Os homens estão ficando frouxos ou sou eu que estou maluca? A verdade nua e crua!

Olá Urso, leio o seu blog há algum tempo e finalmente resolvi perguntar algo. Sou solteira, bem resolvida, moro sozinha e tenho meu trabalho que me permite não depender de ninguém, porém de um tempo para estou notando que os homens estão com medo de mim. Conheço alguém, começamos a sair, mas depois de um tempo perco o interesse e acabo desistindo. A culpa é minha em ser exigente demais, é deles por serem desinteressantes ou estou ficando maluca? Bia

 

Olá Bia, respondendo parcialmente sua pergunta, você não está maluca, pelo menos não parece que está a julgar pela pergunta. Acredito que os tempos realmente não estão favorecendo as mulheres independentes, dada a quantidade de homens placebo (frouxos) que estou vendo perambular pelas ruas.

Homens Frouxos ou Mulheres Exigentes?

Para facilitar o entendimento da questão vamos separá-la em duas partes, a dos frouxos e a da suas exigências, ok? Não acredito que uma coisa tenha a ver com outra. O sujeito que é frouxo o é independentemente da postura da mulher, talvez ele apenas se mostre mais quando é confrontado, mas por debaixo daquele lobisomem sempre teve um pequeno frango.

Analisando melhor sua pergunta pude notar que você antecipou a sua defesa afirmando ser tudo de bom, como se isso fosse ajudar em algo na hora de tomar a patada aqui no P.a.U., se foi com essa intenção quero dizer que você se deu mal, hoje estou mais que sincero.

Sempre que leio algo assim me pergunto que tipo de pessoa se credencia sem qualidades que julgo imprescindíveis para o convívio a dois. Pois é, leitoras e leitores, não acho que as características citadas pela Bia sejam grande coisa, foi muito mais um “olha só como sou independente” do que um “olá, sou uma pessoa boa e muito espirituosa”.

Oras, todo relacionamento duradouro possui uma dose de alta exposição, portanto, necessitando do exercício diário e fundamental de algumas práticas, esquecidas pela Bia, como a tolerância, a simpatia, o bom senso e é claro, a dedicação.

É exatamente disso que estou falando, considerando o que foi colocado na pergunta só posso crer que você, Bia, não é maluca, mas sim uma mala sem alça! E olhando por esse ângulo é bem provável que os homens não tenham medo de você, só queiram distância mesmo. Quem pode condená-los?

“Urso filho da p.!” é o que provavelmente você estava pensando enquanto lia, e até mesmo esse pensamento seria bem característico de alguém que se posiciona da forma com que fez a pergunta. Sempre olhando para o rabo dos outros ao invés de olhar para o próprio. Muito convencional…

Pois é, Bia, como você pode ver, não aliviei! Sinto ser tão franco, pensando bem, sinto coisa nenhuma, acho que já tava na hora de alguém dizer algo. A sua resposta, apesar de ser direcionada a você, cairá como uma luva para muitas outras leitoras que me perguntaram coisa parecida. Aproveite e leia outra resposta muito honesta “Por que há tanta mulher solteira? Hoje as feministas vão querer me queimar no inferno…“.

Alguém mais crítico pode até dizer “mas, Urso, não vi nada demais na pergunta moça, para de ser chato”. E não é que essa pessoa provavelmente está certa? Estou sendo chato mesmo, mas só porque a ocasião pede! Realmente a Bia não falou nada demais e é aí que mora o problema, na escolha de quais características destacar. Isso mostra claramente a falta de noção daquilo que importa e que nos torna pessoas melhores. 

Valores, medo e aceitação.

Não sei muito bem o que está acontecendo com algumas pessoas, mas venho notando que a superficialidade vem tomando conta do comportamento, deixando valores fundamentais de lado. Durante o meu dia escuto diversas queixas, sendo a maior parte relacionada a discussões triviais que poderiam ser evitadas se as pessoas percebessem o quão a vida é frágil. Ficam perdendo tempo com intrigas ao invés de serem felizes sendo que podem não estar vivas amanhã.
Então vamos ser honestos, o que um homem bem feito iria querer com uma pessoa que pensa dessa forma? O sujeito fica melhor só do que mal acompanhado! Já notaram que não chega uma pergunta assim aqui no blog: “Urso, sou simpática, inteligente, companheira, tolerante, razoavelmente bonita, compreensiva, carinhosa e estou sozinha. Por que isso acontece?”?

Cara Bia, tome esse puxão de orelha como um incentivo para melhorar como pessoa e seja feliz.

Os homens são mesmo frouxos?

Terminada essa parte, vamos falar sobre a frouxidão masculina! Da mesma forma que está crescendo o número de mulheres que esqueceram os seus valores, acredito que o número de frouxos está evoluindo em progressão geométrica (se você fugiu da escola,clique aqui e saiba o que isso significa).

Em partes isso é reflexo desse novo posicionamento das mulheres – “a culpa é sempre nossa, não é, Urso?” já reclama a leitora mais pentelha. Não, cara leitora, o que quero dizer é que a postura dessa mulher “moderna” revelou a frouxidão dos meliantes, eles sempre foram frouxos, a diferença é que não anunciavam no jornal.

Alguns homens, uns sessenta por cento, mais ou menos, ficaram intimidados com essa nova mulher que pode se separar a hora que bem entender, faz sexo por prazer, não abre mão da sua independência e está disposta a sacrificar sua vida afetiva por objetivos individuais, como um trabalho em outra cidade, por exemplo.

Os homens sempre tiveram essas atitudes e da mesma forma que alguns exageravam na dose, esse destempero também está atingindo as mulheres, só que de uma forma ainda mais presente. Acho que faz parte de todo processo de revolução. Sempre que isso acontece a tendência é que os revolucionários passem um pouco da conta, até porque se sentiram de alguma forma oprimidos por um tempo. É natural que essas distorções se equilibrem com o passar dos anos.

A mulher já está começando a ver que pagou um preço alto por essa liberdade, até mesmo porque uma parcela das mulheres confundiu essa liberdade com libertinagem, o que deu má fama ao resto. Uma resposta que ilustrou muito isso foi “Deu de primeira e ficou encanada? O que fazer? Urso prova o machismo das mulheres…“.

Diante disso a reação masculina ficou dividida em duas conotações: medo e aceitação. No primeiro caso, os “homens placebo” se encolheram e passaram por um processo de infantilização, tratando as mulheres como princesas encantadas, não as contrariando em momento algum e sendo protagonistas de cenas patéticas.

Por outro lado, ainda com medo, vieram os “homens ogros”, fazendo questão de se mostrarem másculos, esbanjando testosterona, se tornando agressivos e fazendo um tipo de culto a ignorância. Quem entende de comportamento sabe muito bem que agressividade é apenas uma reação ao medo.

No processo de aceitação ficou o “homem bem feito”, aquele que sabe dar o espaço necessário para a mulher sem perder a referência do dele. Para os cuecas de plantão, leiam também “Mulheres são como forças da natureza! Não há espaço para amadores!” e “Salve o relacionamento enquanto é tempo! Sua mulher precisa de um homem para chamar de seu? Vista as calças, rapaz!“, pode ser que aprendam algo.

Podemos então dizer que este último está acima da média? Acho que sim. Agora só resta saber o que esse homem deseja, mas isso é assunto para outro dia. Beijoka do Urso

 

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!