Thursday, 21 de March de 2019

Mais de trinta

Relacionamento tem prazo de validade?

Quando é o momento de terminar um relacionamento?

Quando é o momento de terminar um relacionamento?

… e o mundo continua girando em volta de si mesmo..

Li um texto no ciber espaço que diz ser assinado por Arnaldo Jabor, não confirmei tal informação pois o conteúdo, nesse caso, foi mais importante para mim do que quem realmente o escreveu. O texto tratava de relacionamentos, ele dizia com certa sapiência e humor ímpar sobre a durabilidade dos mesmos, para ele tudo tem seu tempo de duração, um prazo de validade. Será que é assim? Tudo na vida é finito ou realmente existem coisas que terminam quando a morte separa?

Não acredito que o relacionamento entre pessoas tenha um prazo de validade e sim que existam pontos fracos que se não forem fortalecidos, vencem na prateleira da disponibilidade. É como se criássemos muros e cabe a nós decidirmos se essa parede que nos espaça será uma barreira para cultivar a relação.

Muita gente acredita que a vida separa pessoas, eu acredito que as pessoas separam as pessoas e nós, individualmente, temos a capacidade Máster de fazê-lo. A vida nada faz além de apresentar desafios e escolhemos enfrentá-los ou não. Mas as criaturas humanas criam situações em cima dos contratempos diários e constroem paredes, muros entre suas relações e querem amigos, companheiros, filhos, pais e outros, com missão de toupeiras, missão vitalícia e intransferível de cavoucar até chegar ao outro lado, do lado de dentro. Ou ainda com habilidades do atleta de salto com vara. E olha que até tem um risco grande de alguém sabotar a vara e você dar de cara com o muro e ficar todo torto. Mais uma tentativa frustrada para a coleção!

Quem coloca as pessoas cada vez mais distantes somos nós, quem cultiva as relações afetivas dia após dia, mostrando o quanto as pessoas são importantes e o quanto a amamos somos nós. Vejo sempre amigos e colegas reclamarem de alguém por não terem recebido a atenção e o carinho esperados. E sempre os questiono: “Você dá a essa pessoa o que você está exigindo dela?”. Como querer de alguém um padrão afetivo que ela não recebe de você e que muitas vezes você bloqueia por não sei qual critério e/ou limitação?

Os relacionamentos são como espelhos da face e da alma. O que faz receberá em troca na mesma proporção, invertido ou não. E dependendo da distorção de imagem que o outro tenha de você ou da realidade em que vive esse reflexo pode ser piorado, e consequentemente a relação ruir como castelo de areia ao vento… Cada reflexo um desmoronamento!

Sabe aquele ditado que vovó dizia: “Faça com o outro aquilo que você quer que faça contigo”? Ah, não é assim? Mas nesse caso é desta forma que se aplica! Porque não reformulamos o dizer tão antigo e focamos no gesto positivo? Suponho que cada um tenha consciência do que não deve ser feito, suponho!

Culpam o mundo frenético e louco, mas as pessoas seguem no mesmo ritmo. Resumindo: mundo mais aberto, permissivo e as pessoas menos tolerantes.

Doa a quem doer, o mundo é um gostoso e a vida uma delícia! Derrubar os muros que criamos e deixar que as pessoas se aproximem é decisão de cada um. Imagino que só assim o carinho e atenção que a gente tanto espera do outro virá naturalmente, como reflexo das nossas ações para com o mesmo ao longo do tempo…

Ou você ainda prefere ter toupeirinhas cavoucando seus infinitos muros? Nossa que gastura!

Leia mais artigos de Cleide Lima

Conheça outros colunistas do Mais de Trinta.

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!