Wednesday, 16 de October de 2019

Mais de trinta

Somos quem podemos ser

Não existe uma fórmula exata para a felicidade, não há qualquer garantia de que se você conquistar tudo o que sonha será feliz.

Não existe uma fórmula exata para a felicidade, não há qualquer garantia de que se você conquistar tudo o que sonha será feliz.

Somos quem podemos ser. Dia desses estava conversando com alguns colegas e falávamos sobre o que queríamos ser quando éramos criança. Médico, bombeiro, policial, dentista, professora, casar, ter filhos, ter uma casa. Cada pessoa sonha em ter uma vida, projeta e imagina como será ou poderá ser seu futuro.

Me lembro que quando era criança, queria ser caixa de supermercado. Isso mesmo! Eu achava o máximo trabalhar em uma caixa registradora. Naquela época eu ainda não tinha qualquer ideia sobre insalubridade, LER/DORT e afins.

Com o tempo vamos mudando nossa forma de pensar. Passamos a sonhar com felicidade, com uma carreira bem sucedida, um relacionamento perfeito, filhos e todo o conjunto que forma uma “vida perfeita”. Mas a questão é: Será que somos assim? Que isso nos fará feliz?

Não existe uma fórmula exata para a felicidade, não há qualquer garantia de que se você conquistar tudo o que sonha será feliz. Muitas vezes quando conseguimos algo que queríamos temos uma sensação de vazio, como se aquilo não fosse o que de fato nos preencheria, afinal era apenas uma idealização, um desejo.

Com o tempo passei a ver as coisas de outra forma. Talvez não seja tão necessário assim termos o que sonhamos, mas sim nos orgulharmos e gostarmos de ser quem somos, como somos, de ter o que temos.

Nenhum de nós jamais vai ser exatamente como sonha, como idealiza pois é algo irreal, um ideal de perfeição muitas vezes inatingível.

E não estamos falando de ter um cargo, ou um determinado carro, ou nada material. Se isso fosse garantia para a felicidade, não haveriam ricos infelizes ou pobres felizes.

O grande segredo é nos tornarmos pessoas das quais nos orgulhamos, das quais. Gostar de ser quem somos. Claro que todos temos defeitos e problemas, mas você gosta de ser quem é? Se pudesse viver sua vida novamente com a mesma cabeça, a mesma mentalidade que tinha quando tomou suas decisões, faria tudo igual?

Se a resposta é sim, você já percorreu uma boa parte do caminho em busca da satisfação, do que chamam felicidade.

Se a resposta é não, há algo errado. Mas sempre há tempo de corrigir. Muitas vezes fazemos escolhas erradas com sérias consequências, mas é sempre possível refazê-las. Errou? Corrija seu erro, tente minimizar os danos causados, admita-o.

Muitas vezes não podemos reparar danos que nossos erros causam, que nossas imperfeições geram, mas sempre podemos melhorar. Fazer melhor em uma próxima oportunidade, aprender com os erros e aplicar o aprendizado em outra situação, com outras pessoas.

Nos aceitar como somos é o caminho para termos a vida que queremos viver.

Toda conquista traz consigo uma dor ou várias. Suportá-las, passar pelos processo de aprendizado até chegarmos ao ponto de gostar de quem somos e nos aceitar plenamente é o grande sentido da vida, o que nos faz valorizá-la.

Não gosta do que é e da vida que leva? Mude!

Leia outras colunas de Miúcha Carvalho

Conheça outros colunistas do Mais de Trinta.

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!