Wednesday, 16 de October de 2019

Mais de trinta

Deu de primeira e ficou encanada? Urso prova o machismo das mulheres!

Não me considero uma pessoa tradicionalista, nem preconceituosa, mas estranhamente fiquei me julgando por ter transado de cara com alguém que nem conhecia direito

Não me considero uma pessoa tradicionalista, nem preconceituosa, mas estranhamente fiquei me julgando por ter transado de cara com alguém que nem conhecia direito

Amigo Urso!!!! Meu nome é Daniela, tenho 19 anos, perdi a virgindade com 18, com um amigo por quem fui apaixonada. Saí com uns amigos e acabei ficando com um cara, amigo de uma amiga, que eu conhecia pouco e só conversava pela internet. O negócio esquentou e acabei transando com ele. Conversamos bastante e até comentei sobre meu histórico sexual, mas mesmo assim continuei me sentindo sendo vista como uma vaca. Percebi q ele tem um jeito meio machista, cheio de paradigmas, e fiquei super encanada depois. Não me considero uma pessoa tradicionalista, nem preconceituosa, mas estranhamente fiquei me julgando por ter transado de cara com alguém que nem conhecia direito. Ressaca moral. Você urso, citado algumas vezes como machista, poderia dar o seu parecer sobre meu caso?! Beijos polares. 

Olá Daniela, achei sua pergunta muito interessante, eu realmente gostaria de poder responder a todas que recebo, infelizmente ainda não tenho o blog como minha principal fonte de receita, portanto, meu tempo é escasso. Contudo, a sua pergunta me chamou a atenção por dois motivos, a forma com que ela foi feita e a habitualidade com que este caso de “dar de primeira” acontece.

Já me assumi tendo uma criação machista neste blog, não poderia ser diferente e quando recebo uma pergunta com essa formulação percebo que não estou sozinho, até as principais prejudicadas, no caso, as mulheres, também são, de certa forma, machistas.

Considero-me um “neo-machista”, não aquele padrão antigo cuja principal defesa para qualquer tipo de comportamento inconveniente beirava a cretinice na justificativa: “eu sou o homem, portanto, eu posso fazer tal coisa”.

Não deixe de me seguir no Twitter, clique aqui. Não sabe que raio de Twitter é esse? Então clique aqui e fique sabendo.

O tempo dos “machistas à moda antiga” acabou, aquele ser que proibia a mulher de trabalhar, estudar, sair com as amigas e, por vezes, a obrigava a aceitar seus casos extra-conjugais, foi enterrado, sem deixar saudades nas moçoilas.

Porém, nem tudo são rosas, como toda ação gera uma reação inversamente proporcional, o machismo estúpido deu origem a outro movimento tão nefasto como o primeiro, o feminismo absolutista. Esse é um dos motivos de haver tanta mulher sozinha.

Parafraseando nosso “grande” líder molusco, nunca na história desse país se falou e fez tanta merda nessa guerra dos sexos.

Assim como para haver a vacina, tem que haver a doença, o feminismo foi fundamental para o início do processo de igualdade entre as pessoas, independentemente dos órgãos internos que elas ostentam. Surgiram milhões de teorias sobre as diferenças entre homens e mulheres, algumas contestando habilidades psíquicas, composição genética e outras até analisando a quantidade de neurônios que cada um tem, como se isso fizesse diferença… Não importa a quantidade de neurônios, mas sim o que se faz com eles! Sei que isso parece discurso de homem dotado de “instrumento” pequeno, mas é isso que penso.

O problema é que, o feminismo, em minha visão, buscou a igualdade de forma um pouco equivocada, a mulher quis ter os mesmos “direitos” que os homens. Isso é estúpido! Como você pode contestar uma conduta pregando a igualdade a ela? Ridículo! Caras feministas que aproveitam mal a massa encefálica, é dado o momento de vocês me apedrejarem! Já dá até para ouvir os gritos de vocês…

Não defendo a igualdade de “abusos”, o homem deve ter, acima de tudo, caráter. O respeito à companheira já serviria para que essas divergências tivessem fim. Não é necessário que as mulheres se tornem tão cretinas quanto os homens para cobrar um comportamento digno de seus companheiros.

Muitas vezes escutei “Se ele pode, eu também posso!”, isso é abominável! Ao invés de coibir o “ele pode”, a meliante usa a ausência de respeito do indivíduo para justificar uma falha cometida por ela. Como cobrar respeito agindo de forma desrespeitosa?

Apenas para me ater a questão principal, perceba que você, cara Daniela, a começou me dando justificativas: “tenho 19 anos, perdi a virgindade com 18, com um amigo por quem fui apaixonada”. Repare, você já me disse, de antemão, coisas para conquistar a minha “aprovação”, como se você precisasse dela…

Daniela, você não precisa, nem da minha, nem da aprovação de homem nenhum. Você precisa é da aprovação da sua consciência, ela é que deverá ser seu guia. Para deixar mais claro, se você acha um absurdo um homem sair comendo tudo que passa pela frente, não deveria se incomodar em ser tachada de “fácil”. Afinal, é o mesmo raciocínio. A mulher que rotula um homem de galinha por causa das suas experiências sexuais, age, exatamente, da mesma forma que um homem que repudia a liberdade sexual da mulher.

Eu não gostaria de casar com uma mulher que dormiu com todos meus amigos, ficaria constrangido. Poderia fazê-lo? Sim, poderia, mas teria que a amar muito. Porém, fujo de qualquer extremismo, também não gostaria de casar com uma virgem. Acho saudável que a mulher, assim como o homem, tenha algumas experiências, desde que não denigram seu caráter.

Acho que já escrevi aqui, mas se não, fica a mensagem, se sobrassem apenas duas mulheres no mundo, uma prostituta e a outra que dormiu com todos os homens que conheço apenas para exigir o seu direito de igualdade, cortejaria, sem pensar duas vezes, a primeira. No meu modo de ver as coisas, não conta o número de experiências, mas sim as motivações que as levaram a existir.

Sinceramente, não acho normal rotular as pessoas… A vida é curta, mas é cheia de momentos, dependendo do qual você esteja vivendo, certa atitude é aceitável ou não, e nem por isso você viverá eternamente dessa forma. Devo adverti-la de que o mundo não é repleto de pessoas que pensam dessa maneira, portanto, para um convívio em sociedade, por mais que detesto isso, devemos nos adequar a um padrão. É hipocrisia pura, eu sei, mas é assim que a banda toca…

Numa boa, primeiro você deve analisar o que queria com aquela relação. Você só queria uma transa ou queria estabelecer um relacionamento duradouro? Se a resposta foi “só uma transa”, não encane… Você conseguiu! Por que se preocupar com o que o cara pensa? Ligue o botão “Foda-se” e fique feliz… Caso o cara desapareça e você queia mais uma vez, recomendo ler outro post, clique aqui.

Se a reposta foi “relacionamento duradouro”, releia o penúltimo parágrafo com mais atenção que o habitual. Recomendo, mesmo que discordando da essência da recomendação, que você se preocupe com o que o rapaz pode pensar, mas faça isso antes de acontecer algo mais, para não ficar encanada depois. Outra alternativa é escolher melhor o tipo de homem que você deseja se relacionar, por mais que pareça, homem não é tudo igual. Se você quiser algo com um cara moderno, isso não será problema, mas se o seu tipo ideal for um cara convencional, faça o jogo dele. Caldo de galinha e inteligência emocional não faz mal à ninguém!

Beijoka do Urso

Comentários

Comentários

Conteúdo exclusivo e promoções

Cadastre-se

Cadastre seu e-mail para receber as atualizações do Mais de Trinta e ser informado de promoções exclusivas para assinantes. Você receberá duas mensagens por semana!